A quantidade é pequena, o leque é grande e o carinho é enorme. Aqui nós não vendemos produtos mas nós servimos escolhas. Para o dia de plenitude, contemos condizentes e honestos drinks da coquetelaria clássica e poderosas porções para satisfação completa da alma. Para o dia de cão, contemos cervejas de garrafa, amendoim e pinga, os mais baratos da região. Para o dia de glória, contemos chopes e cachaças artesanais e deliciosos lanches.

 

 


 

Dizem que a partir de um processo de fermentação natural acidental, a mais de 10.000 anos, o ser humano passou a consumir e a atribuir diferentes significados ao uso do álcool.

Michelangelo retratou no teto da Capela Sistina uma das maiores obras de arte produzidas na humanidade inspirada em passagem do Antigo Testamento em que Noé foi encontrado completamente nú e embriagado com o vinho produzido de sua própria plantação de vinhas.

Dionísio, para os Gregos ou Baco, para os Romanos nos mostra a importância que o vinho tinha para tais civilizações. Dizem que na idade média os Árabes desenvolveram a técnica da destilação ampliando o poder das bebidas. No período seguinte, o alcool é diretamente atrelado com a política. Os corajosos marinheiros que propiciaram o que hoje chamamos de Grandes Navegações, quando em terra estavam sempre em suas tavernas. Já os piratas escondiam o rum em cavernas; os debates políticos dos franceses, que desencadearam a Revolução Francesa, eram regados a alcool . O absinto, conhecido como Fada Verde retratada pelo Van Gogh, Manet, Picasso e outros pintores da segunda metade do sec XIX. Nos dias de hoje passamos pelo glamour da coquetelaria do sec 20 na Europa ao mesmo tempo da Lei Seca na América do Norte e o famoso trafico da mafia do Alcool, no mesmo lugar.

O fato é que o homem sempre, sempre, sempre esteve ao lado de substâncias que nos permitem enxergar por outra ótica, e, assim como a arte, o alcool “existe porque a vida não basta” (Ferreira Gular: “a arte existe porque a vida não basta”).

“A arte da cozinha é a mais brasileira de nossas artes. A mais expressiva do nosso caráter e a mais impregnada do nosso passado.” (Região e Tradição, Gilberto Freyre). Por isso, o cardápio de porções e lanches são clássicos de boteco. A famosa comida brasileira, com dengo, com personalidade, com miudos, com legumes, com atitude.